Uma reportagem publicada no dia 27 de março na Editoria de Economia do jornal O Popular informa que as cirurgias plásticas respondem por 90% das vendas de cotas de consórcios de serviços em Goiás. O Cremego alerta a classe médica que é vedado ao médico o atendimento de pacientes encaminhados por empresas que anunciam e/ou comercializam planos de financiamento ou consórcios para procedimentos médicos em qualquer especialidade.

A proibição está prevista na Resolução número 1.836/2008 do Conselho Federal de Medicina (CFM), em vigor desde março de 2008. De acordo com a resolução, os médicos não podem se beneficiar do encaminhamento de pacientes por empresas que praticam financiamentos e parcelamentos de honorários.

O presidente do Cremego, Salomão Rodrigues Filho, observa que os pacientes recorrem a consórcios ou outras formas de financiamento de procedimentos médicos podem ser atendidos, mas sem a intermediação dessas empresas. “O médico não pode, por exemplo, aceitar uma carta de crédito ou parcelar o pagamento de seus honorários através de uma empresa de consórcio”, diz.

 LEIA TAMBÉM…


Médicos não podem participar de grupos de compras

Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.