O pagamento aos médicos do bônus mensal da R$ 2,5 mil, anunciado em fevereiro pela Secretaria Estadual de Saúde (SES), ainda depende de aprovação da Assembleia Legislativa. A informação foi repassada ao Cremego nesta quinta-feira (12) pelo secretário Estadual de Saúde, Antonio Faleiros.

 

Em resposta ao ofício recebido do Cremego no dia 29 de março, no qual o presidente do Conselho, Salomão Rodrigues Filho, questionou quando o bônus começaria a ser pago, o secretário informou que “caso o projeto seja aprovado até dia 15”, a SES tem o compromisso da Secretaria de Gestão e Planejamento (Segplan) de incluir o benefício na folha do mês corrente.

 

Na tarde de ontem, quinta-feira, em contato com o presidente da Assembleia Legislativa, Jardel Sebba, o presidente do Cremego foi informado que o projeto deve ser apreciado pelos deputados na sessão da próxima terça-feira, dia 17, às 15 horas.

 

A diretoria do Cremego vai acompanhar a apreciação do projeto e o presidente do Conselho conclama todos os médicos a também participarem dessa mobilização.

 

“É importante que compareçam à Assembleia Legislativa e conversem com os deputados, mostrando a necessidade de concessão de bônus, que vai amenizar a defasagem salarial dos médicos que trabalham na rede pública estadual de saúde”, diz Salomão Rodrigues Filho.

 

Anote e participe:
Dia 17 de abril (terça-feira), às 15 horas, compareça à Assembleia Legislativa e defenda a aprovação do projeto do bônus salarial.

Confira os textos do ofício enviado

pelo Cremego e da resposta da SES

Ofício enviado pelo Cremego à SES

 

Goiânia, 29 de março de 2012

 

 

Prezado Secretário,

 

 

No dia 22 de fevereiro, logo após a reunião com Vossa Senhoria, na qual foi anunciado o pagamento do bônus de R$ 2,5 mil aos médicos da Secretaria Estadual de Saúde, repassamos essa informação à classe médica goiana.

 

A concessão do bônus a partir de março foi divulgada no site e em boletins eletrônicos do Cremego e teve uma repercussão muito positiva entre os médicos.

 

Também manifestamos a satisfação do Cremego diante da concessão da gratificação, que, embora atenda apenas parcialmente e de forma emergencial as necessidades da classe médica, representa um avanço na luta pela valorização da categoria e demonstra a sensibilidade da SES e do governo de Goiás quanto às reivindicações de melhoria da remuneração dos médicos.

 

Porém, assim que foram liberados os contracheques de março, recebemos vários e-mails e telefonemas de colegas médicos com queixas sobre o não pagamento do bônus anunciado.

 

Em um desses e-mails (anexo), um médico critica o que classifica de “ingenuidade” do Cremego em acreditar e divulgar o anúncio da concessão do bônus pela SES.

 

Secretário, o Conselho precisa dar uma resposta aos médicos goianos que aguardavam a inclusão do bônus já nos contracheques de março, conforme anunciado.

 

Por isso, solicitamos a Vossa Senhoria que nos informe oficialmente quando e como o bônus começará a ser pago. O Cremego deve essa resposta à classe médica e conta com a colaboração da SES.

 

Atenciosamente,

Dr. Salomão Rodrigues Filho

Presidente – Cremego

 

 

A resposta do secretário Antonio Faleiros

 

Goiânia, 12 de abril de 2012

 

 

Prezado Presidente,

 

 

Temos a informar que o projeto de lei que institui a Gratificação por Exercício de Serviços de Saúde pelos profissionais médicos encontra-se na Assembleia Legislativa do Estado de Goiás desde o dia 10 de abril de 2012. Tal se fez necessário por ser matéria de impacto financeiro para o Estado, regulada por leis específicas.

A Secretaria de Estado da Saúde de Goiás após realizar estudo de remuneração de seus profissionais médicos identificou que a categoria apresentava defasagem salarial com relação ao piso proposto nacionalmente. Percebendo a dificuldade de contratação de novos profissionais e sempre em busca da valorização do seu corpo técnico, a SES propôs ao governador Marconi Perillo que acatou prontamente a inclusão da gratificação, conforme explicitado durante reunião do dia 22 de fevereiro. A partir da divulgação do aceite, a equipe de técnicos da SES, obedecendo ao trâmite legal, encaminhou o projeto para apreciação da Secretaria de Gestão e Planejamento, em seguida para a Casa Civil e posteriormente para a Assembleia Legislativa.

Quero reforçar que me comprometi pessoalmente em defender a proposta junto a todos os órgãos competentes e ressalto que a única dúvida era quanto à forma legal de execução do projeto. Manifestei essa dúvida publicamente e não reservadamente como sugerido no e-mail encaminhado em anexo ao documento do Cremego. Tal especulação é inaceitável. A decisão política precisava ser operacionalizada pelo órgão competente para a Gestão de Pessoas que é a Segplan e se houve demora, não dependeu da vontade da SES-GO.

Para completar, no decorrer da discussão do projeto junto à SEGPLAN fomos informados de que seriam contemplados apenas os cargos efetivos e temporários, excetuando assim os comissionados. Fizemos um esforço no sentido de reverter essa decisão a fim de também incluí-los no bojo do benefício, ou seja, negociações que não são do conhecimento público, foram empreendidas para gerar a viabilidade exigida pela legislação vigente no Estado. O compromisso ora feito não é mera promessa, mas está concretizado na forma do projeto que agora, depende da aprovação dos deputados estaduais.

Acreditamos que o Conselho como entidade representativa da categoria médica, também regido por legislações e atento às normas jurídicas que envolvem toda e qualquer ação, pode e deve esclarecer a seus associados sobre o trâmite processual e o fluxo burocrático que até então, a SES-GO enfrentou com máxima prioridade, dada a necessidade urgente reconhecida pelo governo de proporcionar tal incremento à renda dos nossos profissionais médicos.

Caso o projeto seja aprovado até dia 15, temos o compromisso da Segplan de incluir o bônus na folha do mês corrente. Acompanharemos de perto a tramitação na Assembleia Legislativa porque temos empenhada nossa palavra e tanto quanto o Conselho, somos parte interessada no desenrolar da questão.

 

Antonio Faleiros Filho

Secretário de Estado da Saúde

Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.